Auditoria em Entidades Filantrópicas

Características das Entidades Filantrópicas

  • Sem finalidade de lucros;

 

  • Não distribuição dos seus resultados;

 

  • Atuam em benefício da sociedade

 

  • Atividades sociais: (art. 2º Lei 8.742/93): Proteção à família, infância, adolescência e à velhice. Saúde, Educação. Etc.

Auditoria para Entidades Filantrópicas

 

  • Auditoria Investigativa (investigação, análise e confirmação de fraudes)​
  • Auditoria nas Demonstrações Contábeis

 

As Entidades sem Finalidade de Lucros que queiram obter ou manter a sua Certificação de Entidade Beneficente de Assistência Social – CEBAS, junto ao Governo Federal (MDS), observados os limites de faturamento, impostos pela da Lei Complementar nº 123/2006, estão obrigadas a apresentarem as suas demonstrações financeiras, acompanhadas do Relatório do Auditor.  

 

 

 

img DFs 1.jpg
img_gr_fics.jpg

Auditoria Investigativa

​É um serviço de auditoria com o objetivo principal de apontar a existência ou não de má gestão, desvios ou fraudes. Na maioria das vezes, a necessidade de contratação de serviços de auditoria externa decorre de denúncia de irregularidades, podendo também objetivar dirimir alguma dúvida a ser esclarecida ao Conselho.

Auditoria sobre as Demonstrações Contábeis

​​A Matos Auditores disponibiliza profissionais capacitados para executar serviços de auditoria externa independente sobre as demonstrações contábeis elaboradas pelas Entidades Filantrópicas (Balanço Patrimonial, a Demonstração do Resultado do Período, a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, a Demonstração dos Fluxos de Caixa e as Notas Explicativas) em observância à legislação aplicável, tais como ITG 2002, NBC TG 1000, NBC TG 26 ...

img validade juridica.jpg

 

Validade Jurídica do Relatório de Auditoria

 

Ao final dos trabalhos é emitido o Relatório de Auditoria sobre os itens-chave verificados através de procedimentos previamente acordados, devidamente assinado por contador habilitado com qualificação técnica para exercer serviços de auditoria externa independente, conforme Certificação de Registro no Cadastro Nacional de Auditores Independentes - CNAI, do Conselho Federal de Contabilidade - CFC, consoante ao exposto nos termos da Resolução CFC n. 1.495, de 20/11/2015 e na NBC PA 13 (R2).

 

A citada NBC PA 13 (R2), dispôe:

 

 

1.       O Exame de Qualificação Técnica tem por objetivo aferir o nível de conhecimento e a competência técnico-profissional necessários do contador na área de auditoria independente.

 

2.       O Exame de Qualificação Técnica será implementado pela aplicação de provas escritas.

 

3.       As provas previstas de serem realizadas para atuação do contador em auditoria indepentende são as seguintes:

(a) prova de Qualificação Técnica Geral para atuação em entidades em geral;

(b) prova específica para atuação em instituições reguladas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM);

(c) prova específica para atuação em instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil (BCB); e

(d) prova específica para atuação em sociedades supervisionadas pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP).

4.       A aprovação na prova de Qualificação Técnica Geral assegura ao Contador o registro no Cadastro Nacional de Auditores Independentes (CNAI) do Conselho Federal de Contabilidade (CFC).